Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez

Descubra o Vale do Itata, região vitivinícola escondida no Chile
Uma nova geração de produtores alia o legado histórico das vinhas velhas a técnicas modernas de vinificação e o resultado são vinhos únicos

Participei na última semana de uma degustação virtual organizada pela Enocultura e pelo ProChile. O tema, Vale do Itata. Embora seja a região vinícola da moda entre o pessoal do mundo do vinho, em termos gerais a região é ainda pouco difundida. O que não significa que sua produção seja recente. Pelo contrário.

O Vale do Itata é considerado o berço dos vinhos chilenos, onde estão as vinhas mais antigas do país: as primeiras da região foram plantadas pelos espanhóis por volta de 1550. Durante o período colonial, foi a área vinícola mais famosa do Chile e produziu a maior parte dos vinhos chilenos até o início do século 19, quando começou a perder mercado para as vinícolas do Vale Central. Na década de 1930, a crise foi ainda pior e a região meio que caiu em esquecimento.

Mas o fato é que de uns anos pra cá a produção do Vale do Itata vive um período de redescoberta, com novos rótulos, produtores e estilos.

Uma senhora redescoberta, diga-se.

Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez
HOLOFOTES

Para contextualizar por alto, basta dizer que os vinhos do Vale do Itata foram os chilenos com melhor colocação no Decanter World Wine Awards (DWWA) 2021. E não costumo destacar concursos de vinhos, mas este é, de fato, relevante.

Um dos rótulos – Cinsault-País-Carignan 2019 Viña La Causa, produzido pela Miguel Torres – alcançou a classificação “Best in Show”, a mais alta distinção concedida no concurso.

Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez

A Miguel Torres, aliás, é uma das exceções dentro do perfil rural da região, já que ali predominam os pequenos produtores. Sediada no Vale de Curicó, a gigante vinícola adquiriu recentemente uma propriedade de cerca de 230 hectares próxima à cidade de Chillán, à beira do rio Ñuble, para o plantio de variedades tintas.

Outros grandes nomes da vitivinicultura chilena seguiram o mesmo caminho, caso da Viña Montes.

Hoje é possível traçar um panorama bem interessante sobre o potencial do terroir dessa área. Não há dúvida de que no Vale do Itata são produzidos atualmente os vinhos mais ousados do país.


Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez
LOCALIZAÇÃO

Quem observa o mapa chileno de regiões vinícolas percebe que o país está organizado por vales. Ainda que nem todos estejam próximos a um rio.

No caso do Vale do Itata, a região é desenhada pelo curso dos rios Itata e Ñuble. O solo é vulcânico e o clima, úmido mediterrâneo, com boa amplitude térmica e temperatura média anual de 17ºC. As chuvas se concentram no inverno e permitem o cultivo das vinhas sem irrigação.

Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez
Via Maps Chile

O Vale do Itata já pertenceu à região do Bío Bío. Mas foi separado no início dos anos 1990, com a reformulação das denominações de origem chilenas.

É a área vitivinícola mais extensa do sul do país: estende-se por quase 100 quilômetros, entre as cidades de San Carlos e Bulnes, na província de Ñuble.


Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez
FATOS

Peculiaridades não faltam a essa região vitivinícola. Uma das principais é o fato de os vinhedos locais não serem dominados por castas nobres francesas.

País e Moscatel de Alexandria são as variedades mais cultivadas, seguidas pela Cinsault 

A Cinsault, aliás, é conhecida como Cargadora no Itata e vem gerando rótulos de grande tipicidade.

Outro diferencial é o perfil dos vinhateiros. As grandes vinícolas são ressalvas como já citei no início deste post. A maior parte dos quase 5 mil produtores é formada por pequenas estruturas familiares, muitas delas trabalhando em parcelas minúsculas não irrigadas.

Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez
Enoturismo Chile

É interessante observar como a produção local segue em direção diferente à da viticultura desenvolvida nas regiões centrais do Chile. Em geral, a grande indústria vinícola chilena tem caráter tecnológico e exportador – o país é o quarto maior exportador mundial, atrás de França, Espanha e Itália, e mantém o Brasil como seu principal mercado em volume (em valor é a China).

Elaborados sobretudo com variedades nobres francesas muito bem adaptadas ao terroir do país andino, os vinhos chilenos mais comerciais são potentes e frutados – grosso modo, sem muita identidade, o contrário dos vinhos produzidos na região do Itata.


Algumas curiosidades:

  • O tamanho médio dos vinhedos é de 2 hectares.
  • Muitos Master of Wine e Master Sommelier são apaixonados pela região e por seus vinhos que fogem da obviedade
  • O Vale do Itata está dividido em 4 subregiões: Portezuelo e Coelemu (as mais ocidentais, classificadas na área Costal), Chillan e Quillon (mais orientais, na zona Entre Cordilheiras)
  • Hoje a região está na moda, mas é apontada também como o futuro do vinho chileno (e merece um outro post a questão da migração de produtores para o sul em função do aquecimento global).

Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez
A DEGUSTAÇÃO

Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez

Assim como aconteceu em todos os setores, o período de distanciamento social imposto pela pandemia de Covid-19 exigiu adaptações também no mundo do vinho. E isso, claro, inclui as degustações. O único caminho viável para mantê-las sem risco aos participantes foi convertê-las a encontros virtuais.

E nessa levada, há quem veja o formato como um mal necessário e há quem curta.

Eu gosto bastante.

Fico mais à vontade para degustar e fazer anotações, sem perder a oportunidade de dialogar com os outros participantes e condutores do evento.

Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez
NA PRÁTICA

A degustação estava marcada para às 19h. O kit de vinhos foi entregue por volta das 15h, com um folder explicando sobre a região, características de cada rótulo e perfil de seus produtores, que participaram do encontro.

Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez

Os rótulos:

  • Viñas Inéditas (Terroir Sonoro) – Cerruco 2019
  • Pandolfi Price – Larkün Chardonnay 2017
  • Riveras del Chillán – Vista Bella Escogido Sémillon 2020
  • Vinícola Männle – Cinsault Tinto 2019
  • Inéditas (Terroir Sonoro) – NiTanto 2017
  • Pandolfi Price – Larkün Pinot Noir 2017
  • Riveras del Chillán – Merlot 2019
  • Vinícola Männle – Malbec 2019

Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez

Deu tempo de fotografá-los, refrescá-los e organizá-los até o início do evento, que se estendeu por pouco mais de duas horas.


Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez
O PERFIL

No geral, os vinhos chilenos do Vale do Itata são cativantes, com evidente pureza e frescor. Vários deles se mostram ideais para apreciar em dias quentes. São vivos, com toques herbáceos e amargor sutil que alavanca a acidez.

Na taça, acontece uma combinação de estilos leves com o patrimônio da vinicultura chilena.

Foi bom para aprofundar a compreensão sobre as preciosidades que são as vinhas velhas do Itata, e as outras que ainda estão escondidas pelo mundo.

 

 

The following two tabs change content below.
Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez
Jornalista e consultora nas áreas de gastronomia e viagem, não recusa uma taça de um bom Syrah. Editora de Estilo da revista ISTOÉ Dinheiro, foi diretora de redação da revista WINE, crítica de restaurantes da revista Playboy, repórter e apresentadora na Rede Globo São Paulo e TV Cultura.
More from Luciana Lancellotti
Le Meurice, um dos melhores hotéis de Paris
Com localização, história, gastronomia e serviço excepcionais, o hotel-palácio reúne um pouco...
Read More
0 replies on “Vinhos chilenos: Vale do Itata é a região da vez”